culto de bebê


1- A Sombrinha: (Proteção) 

serve para proteger da chuva ou do sol. A criança também é protegida pelos pais, os pais fazem de tudo para proteger seus filhos, aconteceu assim com Moisés; Êxodo 2:3 e 4
“Não podendo, porém, escondê-lo por mais tempo, tomou um cesto de junco, calafetou-o com betume e piche e, pondo nele o menino, largou-o no carriçal à beira do rio. A irmã do menino ficou de longe, para observar o que iria acontecer.”
Faraó pensava que poupando as meninas e mandando matar os meninos, não iria ter problema com o povo de Israel, mas foi uma menina que frustrou os planos de Faraó protegendo o menino que salvaria o povo de Israel do Egito. Pais que tem a sabedoria de Deus protegem seus filhos. Que todo bebê possa ser protegido por seus pais.



2- A Mamadeira: (Oração) 
serve para alimentar o bebê, o primeiro alimento da criança é o leite. Nenhuma mãe dá a seu bebê uma feijoada, um churrasco, sempre como primeiro alimento é dado um tipo de leite, mas
existe um alimento que a mãe deve dar a seu filho mesmo ainda em seu ventre: a oração.
Ana orava por Samuel mesmo antes de concebê-lo, e esta deve ser a atitude de todas as mães.
1 SM. 1: 10 e 11 “Ela, pois, com amargura de alma, orou ao SENHOR, e chorou abundantemente. E fez um voto, dizendo: Senhor dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição de tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida...”
Que todo bebê possa honrar ao Senhor em tudo que fizer.


3- A Toalha e o sabão: (Pureza) 
serve para a limpeza do bebê. A criança é limpa, vendo coisas limpas; devemos tomar cuidado com o que a criança vê; muitas vezes a criança fica horas vendo as mentiras e maldades que a televisão mostra e acham que é normal; crianças que vêem seus pais mentindo, falando palavrões, falando mal de alguém podem imitá-los mais tarde. Os pais são o espelho para seus filhos.
Em 1Corintios 15.33 lemos: “ Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes.”
Que cada bebê possa crescer vendo bons exemplos para seguir.



4-Prendedor de Chupeta: (Confiança)
 serve para dar confiança de que a chupeta não vai cair no chão. As primeiras pessoas que o bebê precisa confiar são os seus pais. A maneira que os pais vivem e agem é observada pelos filhos a todo instante! Se um pai, ou alguém que a criança acredita muito pedir para ela pular de um lugar bem alto dizendo que var pegá-la; ela nem questiona, pula sem medo... Os pais devem demonstrar a seus filhos que a maior confiança deve ser em Deus.
Jr. 17. 5 “Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR!”
Que cada bebê possa confiar em seus pais, mas também aprender com eles que a confiança maior deve ser em Deus. 


5- A Touca: (Palavra de Deus) 
serve para proteger a cabecinha do bebê do frio, a palavra de Deus é a proteção da nossa mente. Portanto quanto mais for ensinado para a criança acerca da Palavra, mais protegida a criança será, e crescerá com a amente saudável. Na Palavra de Deus encontramos todos os ensinamentos para nos proteger das ciladas do inimigo. ...
Efésios 6:17. “Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.” Que cada bebê possa sempre ouvir dos lábios dos seus pais a Santa Palavra de Deus.


6- O cinto: (Segurança)
serve para proteger o bebê, e dar segurança. Hoje é lei obrigatória que as crianças usam o cinto de segurança especial para elas. Ensinar para os filhos o que é correto e o que é verdadeiro é o papel dos pais. A Verdade de Deus deve fazer parte da educação que os pais passam aos seus filhos.
Ef. 6. 14 “Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade, e vestindo-vos da couraça da justiça.”
Assim como o cinto serve para dar segurança à armadura, que o compromisso dos pais seja preparar os filhos com a verdade. Que cada bebê cresça seguro cingido com a verdade.



7- Os sapatos: (Salvação) 
servem para os pezinhos do bebê ficar quentinho, e quando começam a dar os primeiros passos, ele precisa de calçados adequados para salvá-lo de cair com facilidade e machucar. Os ensinamentos sobre a salvação em Cristo ainda no berço ajudará o bebê a crescer com passos firmes, pois saberá onde pisar, e andará longe do caminho da perdição.
Ef. 6: 15 “Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz.”

Em DT. 6, 6-9 aprendemos que devemos ensinar a palavra de Deus aos nossos filhos sempre. 
"Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no Coração;
tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando Pelo Caminho, e ao deitar-te, e ao Levantar-te.
Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos.
E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas."

Não podemos perder tempo!!! Que Deus abençoe aos pais para que tenham sabedoria para ensinar ao seu bebê no caminho da Salvação. AMÉM




Mamãe, na casa de Deus não é lugar de levar brinquedo!


“Este não é outro lugar se não a casa de Deus”



Nos últimos tempos temos lidado com crianças hiper-ativas devido ao pouco espaço para gastar suas energias, além de crianças extremamente modernizadas, envolvidas com vídeo -game e internet, coisas que faz com que a criança torna-se agitada.Ou seja, atualmente são raras as crianças que ficam quietinhas na igreja no momento do culto da família.
Devido á essa grande agitação, os pais acabam se desdobrando para fazer com que a criança “sossegue” dentro da igreja , e acabam levando para o culto objetos não apropriados para a ocasião, como: bonecas, carrinho,caderno tamanho gigante para colorir e brinquedos de todos os tipo e qualidades.
Na maioria das vezes, são pais que entram pelo meio da igreja após o inicio do culto com bonecas enormes, carrinho de bebê para as bonecas e até bola de soprar...
Conversando com uma criança de 5 anos uma vez a respeito deste assunto, eu falei com ela: “Meu amor, quando a gente vem pra igreja, nós trazemos a bíblia e não um monte de brinquedo, porque na salinha tem uns brinquedos pra você brincar depois da aula”. E a menina me respondeu: “Tia, eu já falei com minha mãe para não trazer brinquedo, mas ela não me obedece!”
Que exemplo nós pais estamos dando aos nossos filhos?

Se não incentivarmos nossos pequeninos á andarem e ler a bíblia,qual será o seu comportamento perante á Palavra de Deus durante a adolescência?
Se vamos á igreja com o objetivo de adorar á Deus e aprender a Sua Palavra, é obvio que temos que levar a Palavra (a bíblia). Imagine se você fosse pra escola sem material escolar?Fosse pregar o evangelho sem a bíblia? Os fazer uma prova sem caneta e lápis?
Nós pais, temos que ter plena consciência que a igreja é um lugar santo e sagrado, como diz em Êxodo 3.5. A igreja é a casa de Deus e devemos ensinar nossos filhos terem reverência(Êxodo 12.24).
Imagine se você recebesse visita em sua casa, e propositalmente esta visita jogasse lixo no chão, quebrasse a descarga,deixasse a torneira aberta desperdiçando água ou colocasse chiclete embaixo do banco? Como você reagiria?
Será que Deus fica satisfeito quando deixamos nossos filhos fazer bagunça na igreja?
É claro que Deus não mora dentro do templo, pois sabemos que Deus é onipresente , mas é no templo que nós nos reunimos para compartilharmos as bênçãos de Deus, aprendermos mais da Sua Palavra.É no templo em que levamos nossos filhos para aprender as proezas do Senhor em linguagem apropriada á elas. Então sejamos exemplo para nossos filho, vamos nos atentar com os cuidados e preservação da nossa igreja, afinal, é a casa do Nosso Pai, e esta casa é chamada de Casa de Oração!

Flávia Grégio




MINISTÉRIO CRIATIVO


MINISTÉRIO CRIATIVO – SUGESTÕES PARA FAZER DO DEPARTAMENTO INFANTIL UM SUCESSO!

1. Convide as crianças e reconquiste novos alunos
Quem nunca ouviu a frase: 
“que a propaganda é a alma do negócio”? 
Verdadeiramente esta é uma frase real e indispensável para que a Escola Bíblica seja um sucesso. Nós temos despertar na criança a vontade de estar presente na Escola Bíblica Dominical.
Pesquise junto á secretaria da igreja o endereço das crianças e mande através do correio carta-convite convidando-os para se matricularem na EBD
Dê brindes para os primeiros matriculados
Passe vídeos convidativos durantes o culto
Panfletos e cartazes são sempre bem-vindos
Grave “chamadas de voz” para colocar após o encerramento do culto.
Se existe muitas crianças que moram perto da igreja, uma boa pedida é a “Serenata da EBD”
Café da manhã para as crianças é muito importante, lembre-se que cada peixinho é usado uma isca especifica. Saiba qual isca usar!

2. Seja criativo em datas comemorativas
Dia do Índio – missões indígenas
Dia das mães – café da manhã para as mães
Dia dos pais – feijoada do papai o
Primavera – luau
Dia da Bíblia – exposição de Bíblias com diversas línguas e traduções
Dia do amigo – amigo secreto, oração pelo amigo, confecção de cartões
Aniversário - Dê Bíblias de presente (Quando você for presentear com uma Bíblia, marque com marca texto os versículos mais importantes, pois assim, este serão os mais lidos.)

3. Na contação de histórias bíblicas

Saia da “rotina” e use objetos e dramatização para contar histórias, crianças gostam de novidades!
Viva a História Bíblica, use caracterização: Imagine você caracterizada como a mulher de Samaria?

4. Em reuniões com pais ou professores
Talvez você não precise usar a palavra “reunião”, faça chás, almoço, lanche e converse com elas a cerca do departamento. Incentive suas professoras com presentes, cartões, bilhetes e mimos. Faça treinamento dinâmicos, passeios e jantar no dia dos professores. Valorize-os!


com carinho ♥ tia Josi ♥


CRIANÇAS ÍNDIGO E CRISTAL

(Todos os pais cristãos e líderes infantis precisam conhecer as estratégias do mal contra nossas crianças, e buscarem orientação em Deus)

No final do século XX o tema “crianças índigo” veio à tona. Um livro publicado nos Estados Unidos em maio de 1999, com o título The Indigo Children, escrito por Lee Carroll e Jan Tober, fez com que este assunto se tornasse bem mais conhecido. As doutrinas do Espiritismo é que dão sustentação a todo o argumento desses autores. Segundo eles, crianças índigo são crianças consideradas especiais, reencarnações de espíritos iluminados que chegam ao mundo com dons extraordinários; são super-sensíveis, intuitivas e visionárias, as quais resolveram encarnar agora, com uma missão ou um objetivo específico: mudar completamente o atual sistema de coisas. Há, na opinião dos autores e de outros esotéricos, uma grande quantidade de crianças índigo, que estão nascendo em toda parte desde o final do século passado, chamadas também de crianças fantásticas, crianças das estrelas, mestres, ou a esperança para o futuro da humanidade.
            Índigo é o nome de uma cor, entre azul e violeta. É também o nome da substância corante que serve para tingir de azul, ou anil. E ainda o nome da planta que fornece índigo, ou anileira. O nome índigo foi adotado para designar essas crianças especiais, tomando como base a doutrina da Aura, presente em várias religiões e tradições esotéricas. Índigo seria a cor da aura de tais crianças. A aura seria um elemento etéreo, imaterial, que emana e envolve seres ou objetos. Segundo o espiritismo, ela é uma radiografia de todas as vidas do homem desde o momento de sua formação espiritual, e vai evoluindo ao longo das sucessivas reencarnações. A aura conteria dados sobre o passado, sobre a vida presente e até mesmo tendências futuras.
            Vemos então que, além da doutrina da Aura, a doutrina da Reencarnação está presente na sustentação da ideia de serem essas crianças seres que estão numa esfera de evolução mais alta, e que podem, assim, fazer mudanças para a melhoria da vida aqui na terra. Seriam crianças superiores, fascinantes, fantásticas, fabulosas e que teriam percepções de realidades tais como: ver anjos, prever acontecimentos e viver num mundo imaginário em contato com fadas e bruxas.

CRIANÇAS QUE NÃO ACEITAM ORDEM DE NINGUÉM

No entanto, é fácil identificar um Índigo pela sua sensibilidade, criatividade, espiritualidade e padrões gerais de comportamento. Como crianças, elas se parecem com todas as outras crianças, embora sejam freqüentemente bonitas e com olhos penetrantes. São sempre altamente inteligentes e cheias de perguntas e exigências.
Têm muita energia, são muito ativas, têm muita força de vontade e um senso forte do seu próprio valor e importância. Sabem que são especiais e que estão aqui para fazer alguma coisa significativa. Possuem amigos “imaginários” e adoram fadas e golfinhos. A inteligência excepcional das crianças índigo pode ser exasperante para os adultos.
Ninguém lhes dirá o que fazer, elas quererão debater e negociar cada instrução, cada ordem. Até que os pais aprendam que estão sendo ensinados e aprendam a respeitar o direito de escolha da criança e honrar essa escolha, eles continuarão a ser confrontados com lutas de poder e batalhas de força de vontade. A maneira correta de lidar com um Índigo é de estar disposto a negociar, explicar, dar-lhe escolhas. Ordens como “ Faça assim porque eu estou mandando ” só produzirão hostilidade e indiferença. Os Índigos geralmente não gostam nada-nada da escola.

As figuras de autoridade não conseguem nada com elas. Num nível profundo, elas não reconhecem a autoridade. Sabem que somos todos iguais e por isso ficam irritados, furiosos mesmo, com aqueles que se comportam ditatorialmente , quer sejam pais, professores ou patrões. São muito compassivos, amam os animais e qualquer forma de vida; têm muitos medos, como medo da morte e perda dos seres amados. Se experimentam muito cedo decepção ou falha, podem desistir e desenvolver um bloqueio permanente.. Um problema sério quando se trata de Crianças Índigo é o diagnóstico errado habitual dado aos índigos, catalogados como portadores de Transtorno do Déficit de Atenção ou do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade
” Não as forcem a enquadrar-se nos velhos moldes. Elas chegaram com novas marcas de nível superior para a humanidade, codificadas dentro do seu ser. 


CRIANÇAS QUE IGNORAM AS REGRAS EM FAMÍLIA


            Os pensamentos a respeito das crianças índigo envolvem também a aceitação de que essas crianças promoverão transformações como, por exemplo, em relação à família — uma instituição considerada cheia de regras, que precisam ser ignoradas, abrindo espaço para outras opções de convívio, não mais na estrutura “arcaica” da família. Não só em relação à família, mas em diversas esferas da sociedade, essas crianças estariam aqui para nos ajudar na transformação do mundo. O que teríamos que fazer? Precisaríamos aprender com elas, escutando-as e observando-as.
            Segundo, também, o espiritismo, a tarefa das crianças índigo vai ser complementada pelas crianças cristal, uma outra categoria de crianças especiais e fantásticas.  
            Alguns pais, ao aceitarem essa teoria da existência de crianças índigo e cristal, acabam contemplando os próprios filhos como uma espécie de “deuses”, a quem precisam considerar como seus instrutores. Os filhos ensinando os pais; os filhos abençoando os pais. Os filhos sendo os portadores de uma sabedoria superior à qual os pais devem se submeter. Jan Tober e Lee Carroll chegam a afirmar, entre outras coisas, que “as crianças são tudo que elas precisam ser; elas são elas mesmas. Vamos deixá-las sozinhas para que elas possam ser exatamente o que são.”
            Tais ideias deveriam, no mínimo, causar estranheza a pessoas de bom senso. Para quem conhece e crê na Palavra de Deus, são um louco delírio. Porém, é espantoso observar como é grande o número de adeptos, defensores e divulgadores dessas ideias.
            
A TELEVISÃO MAIS UMA VEZ EM PARCERIA CONTRA A FAMÍLIA
 (e muitos crentes não procuram se libertar de tais programações)

Muitas pessoas têm escrito livros sobre o assunto, têm dado palestras, têm criado blogs e têm até escrito novelas sobre o tema. Uma destas é Elizabeth Jhin, que afirmou estar encantada pela questão das crianças índigo e cristal, o que a teria motivado a escrever a novela “Amor Eterno Amor”, veiculada pela Rede Globo de Televisão neste ano de 2012. A trama teceu em seu enredo, sem qualquer comprovação científica mas totalmente ancorada na parapsicologia e no espiritismo, a ideia das crianças índigo, por meio da personagem Clara. Elizabeth Jhin já havia escrito outras duas novelas para a TV Globo: “Eterna Magia” (2007), falando sobre bruxas, e “Escrito nas Estrelas” (2010), falando de um rapaz que era um “espírito desencarnado”. Estas duas novelas bateram recordes de audiência.
            Numa entrevista que foi publicada no jornal O Estado de São Paulo, a autora falou de sua paixão por Ivani Ribeiro, que era espírita praticante e escreveu novelas de sucesso com o alvo de divulgar o espiritismo, como foi o caso da novela “A Viagem”. Em outra entrevista, publicada no Blog TVG.GLOBO, uma das perguntas feitas a Elizabeth Jhin foi:
            O que a motivou a abordar a questão das crianças índigo e cristal? Acredita que o tema vai causar um impacto nos telespectadores?
            A resposta de Elizabeth Jhin foi: A questão das crianças índigo e cristal é bastante controversa e acredito que as pessoas vão se interessar muito pelo tema e tirar suas próprias conclusões. É surpreendente a quantidade de sites do mundo todo, não só de leigos e educadores, mas também de cientistas de grandes universidades, que se dedicam a falar e estudar o assunto; tanto do ponto de vista sociológico, antropológico e social, como do ponto de vista espiritual. Nesse aspecto, as crianças que nasceram a partir dos anos 80, e mais ainda a partir do ano 2000, estão vindo para ajudar a transformar a vida no nosso planeta, em seus aspectos espirituais, sociais, educacionais e familiares. Quem tem criança do terceiro milênio em casa, percebe e se espanta com sua precocidade e maturidade. A criança sempre foi e será “uma ideia de Deus”, que deve ser muito cuidada e amada. Mais do que nunca, as crianças “são verdadeiros presentes para os pais, para o planeta e para o Universo”.
            Outra novela a abordar o tema foi “Mulheres Apaixonadas”, de Manoel Carlos, que a mesma Rede Globo apresentou em 2003 e reprisou em 2008, na qual havia a personagem Salete, uma criança índigo, que tinha percepção da Luz, premonições, paranormalidade avançada e também via anjos.

O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE ISTO?

Aquele que crê que a Palavra de Deus é “lâmpada para os pés” e “luz para os caminhos” busca pautar sua vida pelo que Deus diz, e não pela sabedoria humana. Vamos comparar com a Palavra de Deus algumas das ideias, acima expostas, a respeito de crianças índigo.
            Em relação à aura humana, apesar da disponibilidade de detectores de alta sensibilidade para campos eletromagnéticos e radiação eletromagnética, propriedades comumente atribuídas a aura, não existe nenhum estudo que demonstre empiricamente a sua existência. Ninguém, até o momento, conseguiu demonstrar essa habilidade de detectar auras, apesar do enorme número de pessoas que dizem ser capazes de tal feito. Uma das características da aura, de acordo com os seguidores dessa ideia, seria sua luminosidade. Mas a Bíblia diz que o homem ímpio, sem Deus, está no escuro. Em Colossenses 1.13, 14 lemos sobre Deus Pai: “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados.” E em 1 João 1.5-7 está escrito: “... Deus é luz, e não há nele treva nenhuma. Se dissermos que mantemos comunhão com ele, e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.”
            Em relação à reencarnação, que talvez seja uma das mais antigas ilusões religiosas, a verdade sobre tal assunto está claramente estabelecida numa preciosa passagem bíblica que afirma: “... aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo.” (Hebreus 9.27). A reencarnação visa o aperfeiçoamento ou evolução da pessoa. Mas a Bíblia afirma, em Efésios 2.8 e 9, que o homem será salvo somente pela graça e não por obras. “Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.”  
            Se quisermos encontrar um ponto positivo em tudo que foi exposto, este poderia ser a ênfase em colocar a criança no centro das atenções. Vários conselhos são dados aos pais quanto à postura que devem adotar de compreensão e de amor para com os seus filhos, a fim de viverem na expectativa de que seus filhos têm uma missão superior a cumprir. Sim, este seria um ponto positivo, afinal os filhos são “herança do Senhor”. Este foco no valor das crianças é importante, especialmente numa época em que pais, em alguns contextos, estão “terceirizando” a educação de seus filhos; e em outros contextos, estão literalmente “abusando” de seus filhos, que são vítimas de maus tratos, de espancamentos, de toques com as mãos sujas da pedofilia.
            Jesus, em certa ocasião, colocou uma criança no centro das atenções dos seus discípulos, mostrando-lhes a necessidade de aprenderem a lição da humildade. Mostrou também a importância da criança, que deve ser bem recebida, como se recebêssemos o próprio Jesus; que deve ser tratada com respeito e dignidade, sem colocarmos tropeços na sua caminhada; que não deve ser desprezada e que deve ser alvo de cuidados especiais, assim como um cordeiro é alvo do cuidado de um pastor, porque não é da vontade de Deus que nenhum pequenino se perca.
            O que deve ser buscado, portanto, é um equilíbrio entre valorizar a criança, tal como o Senhor a valoriza, ao mesmo tempo em que reconhecemos a imaturidade da criança e a necessidade que ela tem de receber orientação, como lemos em Provérbios 22.6: “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.” 
            Além de orientação, a criança necessita de disciplina, porque “a estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da disciplina a afastará dela” (Provérbios 22.15), e a negligência na correção demonstra exatamente falta de amor à criança, pois “o que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o disciplina.” (Provérbios 13:24).

            CRIANÇA NÃO É UMA REENCARNAÇÃO

A criança não é reencarnação de alguém que já tenha vivido no passado. Cada criança é formada e tecida no útero de sua mãe, tendo seu corpo e alma formados, de modo assombrosamente maravilhoso, por Deus. Nenhuma criança vem de alguma estrela distante ou de uma suposta vida passada. Elas vêm diretamente do poder criador de Deus, que as conhece plenamente desde quando eram ainda uma substância informe, enquanto seus membros, veias e ossos iam sendo formados. Leia o Salmo 139, versos 13 a 17.
            Olhar para a criança através da Palavra de Deus nos ajuda a ter os pensamentos corretos a fim de criar, ensinar, disciplinar e guiar as nossas crianças. É especialmente importante reconhecer que cada uma delas nasce com uma natureza pecaminosa, herança que trazem de seus pais (Salmo 51.5). Só uma criança nasceu neste mundo sem natureza pecaminosa – Jesus –, porque ele não foi gerado no ventre de Maria por um homem, mas pelo Espírito Santo de Deus.
            E porque a criança é pecadora, ela necessita ser evangelizada, isso é, ela precisa saber que Jesus é o Filho de Deus que veio a este mundo para nos libertar do pecado, o que de fato ele fez ao morrer na cruz como substituto do pecador que nEle confia. Esta mensagem “é fácil de entender, tão clara como a luz: em meu lugar pra me salvar Jesus morreu na cruz”. É tão singela que “mesmo um menino pode crer”. Jesus disse: “Quem crê tem a vida eterna” (João 6.47). Leve suas crianças o mais cedo possível a crer em Deus, colocando sua fé no Salvador Jesus, para que não sejam, como disse Chesterton, pessoas que venham no futuro a crer em “qualquer coisa”. Levar crianças à salvação em Cristo é que garante que haverá um bom futuro.
            Crianças índigo... um conceito que deveria encher-nos de indignação, como disse o salmista: “De mim se apoderou a indignação, por causa dos pecadores que abandonaram a tua lei.” (Salmo 119.53).
            Nunca é demais repetir que é necessário, com urgência, ganhar para Jesus a geração que vem chegando. Lembremo-nos de que Deus mesmo foi quem ordenou aos pais que ensinassem aos seus filhos sobre o Seu poder e as Suas maravilhas, a fim de que a nova geração pudesse confiar no Senhor sem jamais se esquecer de suas obras e ser obediente à Sua Palavra. Pois, se não fosse assim, corria o risco de vir a se tornar uma geração rebelde e andar de maneira contrária à orientação do Senhor (Salmo 78.4 a 8).

Esse artigo foi publicado na Revista "O Evangelista de Crianças" ano 58 - nº 229 - out-nov-dez-2012

  ............DESPERTEMOS FAMÍLIA CRISTÃ!